26 de Setembro de 2013

A Casa de Fados "A Cesária", situada na Rua Gilberto Rola em Alcântara, era   uma tasca já desde o século XIX.

Já no século XX passou a ser uma casa de "prostituição", que na época eram autorizadas, funcionava com o nome de Bar Sábá. Tinha dois andares, em baixo bebia-se e acordava-se o preço com as "meninas",  em cima havia dois quartos de curta permanência, á disposiçaõ dos interessados.

Mais tarde o seu proprietário Mário Lopes de Oliveira, aproveitando o edifício ter dois pisos,  passou para o 1º piso a parte da "prostituição"  criando para tal uma porta de entrada independente pela rua. No rés-do- chão abre uma casa típica com petiscos e onde se podia cantar o Fado com o nome "Casa  A Cesária",  a pouco e pouco começa a ter bastante afluência,  principalmente aos fins de semana, em que iam pessoas para  ouvir o Fado, e os próprios Fadistas apareciam, porque gostavam do ambiente.

Pouco tempo passado e as  casas de prostituição são proibidas e obrigadas a fechar, o proprietário que mais tarde passou a ser conhecido pelo Mário da Cesária, como tem alvará de bar, consegue licença para ampliar a casa,  o primeiro andar  é aberto, ficando como uma varanda com visão para a divisão de baixo, que passou a ser o pátio das cantigas, era uma casa muito "castiça" quer pela decoração quer pela construção , pois dava a ideia que estávamos num pátio lisboeta, passando a dar Fado todos os dias.


Imagem do interior da casa retirada de um anúncio e  ainda o painel em azulejo existente na parede da casa

          

 

Carlos Duarte uma noite na Cesária

 

Segundo a tradição, terá sido neste local, outrora uma "taverna" que Maria  Cesária, terá cantado pela última vez em 1877.

 Nos anos sessenta como já referi, passaram  pela Cesária quase todos os fadistas da época, destacando-se o meu tio Carlos Duarte, que nunca foi profissional, mas ali ía todos os dias, aos dias de semana só até cerca de meia-noite, pois no dia seguinte tinha que ir trabalhar, aos sábados e domingos as "fadistisses" iam até de madrugada, acabando muitas das vezes, em que fadistas, empregados e clientes, acabavam no cacau da ribeira, até o sol nascer. (Grandes noites, ainda tive oportunidade de viver algumas delas, com o meu pai e o meu avô, o meu tio Carlos e o meu primo Valdemar).

 

Quando fui para o serviço militar em 1967, também já era por lá e pelo Timpanas mais ao lado, que eu ía continuando a dar os primeiros passos no Fado. Nesta altura, o Mário  contrata o meu primo Valdemar Duarte, filho do meu tio Carlos Duarte (que faleceu em 1966), como gerente artístico e também para cantar.

Entretanto o meu primo Valdemar Duarte, casa-se e organiza a vida e demite-se da Cesária,  nunca mais cantou, e foi pena pois cantava muito bem, na linha que nós todos da família comungamos,  é o "ADN do Marceneiro", já tinha angariado bastantes admiradores, tenho muita pena que ele infelizmente  não  tenha   nada gravado, mas o Fado está-lhe na alma, actualmente anda a aprender a tocar guitarra.

A Casa A Cesária fechou definitivamente as portas em 1977.

Há uma realidade que é inegável, é que os "Marceneiros", estiveram sempre  com o FADO e no Fado.... E continuam

 

© Vítor Duarte Marceneiro

 

 

 Carlos Duarte na Cesária a cantar e em convívio (1964) 

 

 

Foto Valdemar Duarte a cantar na Cesária ao lado está a irmã Judite Duarte, 

também filha de Carlos Duarte (1966)

 

Foto Tirada na Cesária em 1966

Da esquerda para a direita: Vítor Duarte Marceneiro, Aida Duarte (filha de Marceneiro), Aida Duarte (sobrinha de Marceneiro, filha de seu irmão Júlio Duarte), e seu marido Carlos

  

Seguem-se mais alguns elementoa relacionados com A Cesária:

Painel de Azulejos, a fachada do edificio actualmente, um copo gravado,  

 

 

  

 

 

 

 

Alfredo Marceneiro

Canta: Nos Tempos em que Eu cantava

Letra de Fernando Teles

Música de João David Rosa "O Sapateiro"

 

Free Guestmap from Bravenet.com
publicado por Vítor Marceneiro às 20:00
: O passado é alicerce do futuro
música: Nos Tempos em que Eu cantava
CLIQUE NA FOTO PARA SE INSCREVER
Este blogue é propriedade da Associação Cultural de Fado " "O Patriarca do Fado", assim como a página na rede social Facebook, com o mesmo título genérico. a ACFPF, é uma associação sem fins lucrativos e registada na Conservatória do Registo Comercial R.N.P.C. de Lisboa, sob o nº 900/2012. Contribuinte nº 510431720. Alfredo Marceneiro é marca registada no INIP com o número 510495150. Todo o conteúdo está protegido por "copywrite ©", direitos conexos e afins, pelo que não poderá ser usado para fins que não sejam a sua divulgação e a devida autorização.
Busto de Alfredo Marceneiro por Dr. Francisco Faria Pais Busto de Alfredo Marceneiro por Dr. Francisco Faria Pais